Follow by Email

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Chocolate: vilão ou mocinho?

Amigos, 
Depois de uma semana sem postar, volto hoje com um post especial para a Páscoa, espero que gostem!


Páscoa é sinônimo de chocolate. Mas há quem queira fugir dessa máxima, uma delícia que sempre ronda os olhares e o estômago até mesmo dos mais comedidos. Uma forma interessante de escapar das calorias a mais é a utilização do chocolate em tratamentos de beleza. 

O uso dessa saborosa iguaria nos tratamentos de beleza não é novidade. Em meados de 1500 os astecas já sabiam que o chocolate era muito mais que um simples alimento. A lenda conta que o deus Quetzcoalt concedeu à humanidade uma porção de sementes de cacau. Depois disso, ela foi considerada sagrada e medicinal.
Sempre em ascensão, o mercado de cosméticos conhece as propriedades umectantes do cacau e também tira proveito do consumo gerado pela Páscoa.Os produtos desenvolvidos com extratos oriundos do cacau são ótimos antioxidantes, possuem grande quantidade de gorduras, responsáveis pela hidratação da pele e dos fios. E mais: o ativo colabora no combate ao envelhecimento da pele porque repõe o manto hidrolipídico, deixando a cútis e o cabelo mais sedosos.
Atualmente sabemos que a acne é um resultado da elevação de hormônios sexuais, que aumentam a produção de sebo, fechando o canal de secreção da glândula sebácea. O consumo exagerado de gordura saturada e carboidratos simples podem elevar a produção de insulina pelo nosso organismo. Esse aumento na taxa de insulina pode também ativar a glândula sebácea e produzir maior quantidade de oleosidade e acne.
Temos também que salientar que, como o estresse aumenta, cresce também a produção de hormônios e o resultado pode ser o aparecimento de espinhas e cravos. Mas, muitas pessoas comem uma quantidade exagerada de chocolate para compensar a ansiedade e a tensão. O resultado final é o aparecimento de espinhas e cravos, não causados pelo chocolate, mas pela alteração hormonal ocasionada pelo estresse.
O bom senso é a solução certa para usufruir as delícias do chocolate. Um pedacinho do doce em dias alternados não faz mal a ninguém.
Já os cosméticos à base de chocolate são ótimas opções para esse período de outono, afinal, eles hidratam e protegem a pele e os cabelos.

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Especial Dia do Beijo

Benefícios do beijo na boca

Beijar é bom demais, não é? Além disso, é o ponto de partida de qualquer relacionamento. O coração dispara, o corpo se aquece, a pressão arterial aumenta. O beijo na boca desperta o corpo. O olhar, o tato, o paladar, o olfato e a audição se intensificam. Por isso, o desejo sexual cresce, aumentando o prazer. Essa eletrização ocorre porque os parceiros se tocam em um ponto extremamente sensível. 


Os lábios percebem os toques com a mesma intensidade que a ponta dos dedos. Mas com uma grande vantagem: o apelo erótico. "Os lábios só perdem em sensibilidade para o clitóris e a glande", afirma o sexólogo americano Daniel Stein. Um ingrediente extra favorece o prazer: a fantasia. No imaginário masculino, a boca se assemelha à vulva, o que torna um beijo de língua tremendamente excitante. Para os homens, essa carícia faz lembrar a penetração do pênis na vagina. E mais, o beijo é visto pelos sexólogos como um dos principais ingredientes da vida afetiva. A falta dele pode ser sinal de afetividade em baixa. "O beijo exige entrosamento, carinho. Se os dois não estão felizes um com o outro, podem até conviver, mas fica ruim se beijar", explica a psicóloga Carla Zeglio, do Instituto Paulista de Sexualidade. "Muitas vezes o casal faz sexo, mas não beija na boca. Falta um sentimento mais forte", conclui. 

A questão da afetividade foi levantada pela pesquisadora inglesa Martha Stein, em 1980, ao avaliar o comportamento de 64 prostitutas. Ela assistiu, escondida em quartos de motel, a 1 230 relações sexuais. Na maioria delas não ocorreu beijo na boca, porque as mulheres temiam se apaixonar se fizessem isso. 

Quanto mais se beija, mais se quer beijar. Esse é o segredo para quem quer resgatar a prática. "A gente tem de forçar a barra e achar um tempinho para encaixar o beijo na rotina", diz o psicólogo Aílton Amélio. Para despertar o desejo, basta fechar os olhos e relaxar. Uma delícia, não? Então por que deixar para depois? 

Quer mais um motivo? Além de ser prazeroso, o beijo traz uma série de benefícios físicos e emocionais. O toque ardente dos lábios movimenta 29 músculos, provoca a pressão de até 12 quilos de um rosto contra o outro e eleva os batimentos cardíacos: eles saltam de 70 para 150 batimentos por minuto. Esse bombeamento sanguíneo aumenta a oxigenação das células, estimula as funções circulatórias e diminui a insônia e as dores de cabeça. A cada beijo de língua, trocam-se 250 bactérias junto com a saliva, o corpo queima 12 calorias e a produção de hormônios aumenta. O nível de serotonina, substância química que dá a sensação de euforia e relaxamento, cresce. Por isso, beijar na boca acalma, ajuda a liberar sentimentos reprimidos, reduz o complexo de rejeição e alivia o estresse. Tudo em questão de instantes.

FONTE: BRASIL MEDICINA (Veículo: www.canaldoamor.com.br)